20 Maneiras de Reduzir Custos com a Doença de Alzheimer e Outras Demências

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

Recentemente, fui questionado sobre como melhorar o atendimento de pacientes idosos com demência no serviço público. Pelas características da doença e as dificuldades que impõe – desde o diagnóstico até as frequentes alterações comportamentais – o cuidado de pacientes e cuidadores representa um grande desafio ao sistema de saúde, não só aqui, mas em todo o mundo. Não foi à toa que, há dois anos, o presidente norte-americano Barak Obama anunciou uma série de medidas em relação à doença de Alzheimer, praticamente declarando uma estratégia de guerra contra os danos da doença.

Hoje, no Brasil, temos relativamente poucos casos diagnosticados e tratados, num modelo ainda centrado no atendimento médico e na resolução de complicações, através de internações hospitalares muitas vezes preveníveis. Os programas de amparo aos cuidadores, tão necessários, não contemplam todos os municípios Como mudar essa , apesar de todo o esforço de uma ONG chamada ABRAz. Como mudar essa situação?

Com certeza, uma forma de despertar os olhares de autoridades e gestores da saúde – da esfera pública e, principalmente, da privada – é falar em redução de custos. Não que eles sejam pessoas insensíveis ao drama desse mais de um milhão de famílias brasileiras, é que, como em qualquer problema administrativo, usar a relação de custo-efetividade atrai mais a atenção e, logo, investimentos.

 Respondo a esse gestor,  extrapolando também para algum diretor da esfera privada, da seguinte forma: “Com base em referências científicas publicadas nos últimos dois anos, para reduzir os custos no atendimento a idosos com demência, eu: 

  • Incentivaria o diagnóstico precoce (estudos mostram que a detecção precoce da doença, em dez anos de acompanhamento, reduz os custos total em pelo menos 9,8%);
  • Incentivaria a prescrição de medicações adequadas (em 2008, apenas 12% dos casos estimados da doença recebiam a medicação pelo SUS);
  • Criaria grupos para cuidadores, com enfoques educativo e de apoio;
  • Capacitaria profissionais da saúde (em pesquisa feita em cidade do RS, nenhum enfermeiro da atenção básica sentiu-se capaz em atender casos de demência);
  • Adotaria visitas domiciliares de enfermagem regulares;
  • Identificaria pacientes com alto risco para desenvolver a doença (existem escalas que predizem esse risco);
  • Aumentaria o diagnóstico e investiria no tratamento de diabetes e depressão em idosos e adultos na meia-idade;
  • Instalaria programa de prevenção de quedas em idosos com demência (já que são uma das principais causas de hospitalização);
  • Criaria centros-dia;
  • Identificaria os pacientes com demência na entrada de emergências;
  • Adotaria medidas de redução na permanência hospitalar (pacientes com demência teriam prioridade em atendimento e realização de exames);
  • Incentivaria o controle prescritivo de medicações inapropriadas para idosos (existem listas daquelas que devem ser evitadas);
  • Aumentaria a vacinação contra o pneumococo (incluiria pacientes com demência na lista de quem pode receber a imunização pelo SUS);
  • Ampliaria a discussão sobre a não indicação de sonda nasoenteral para pacientes que ainda conseguem deglutir;
  • Incentivaria a institucionalização de idosos cujas famílias não apresentam condições de cuidá-los;
  • Aumentaria a discussão sobre redução na admissão de pacientes idosos com demência em fase grave nas unidades de tratamento intensivo;
  • Incentivaria internações domiciliares e visitas médicas para pacientes com demência;
  • Adotaria medidas de prevenção e tratamento ao estresse dos cuidadores;
  • Implantaria serviços de reabilitação cognitiva para idosos com fases leve e moderada da doença;
  • Aumentaria a socialização de idosos através de programas como universidades abertas da terceira idade (medida que já consta no Estatuto do Idoso).”

 A rápida leitura dessas vinte medidas deixa bem claro que, além de reduzir custos, elas melhoram, e muito, a qualidade de vida dos pacientes e, principalmente, de seus familiares. Gostaria de ouvir essas medidas anunciadas pela nossa presidente Dilma – quem sabe, em breve.

Abraços, Leandro Minozzo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

2 thoughts on “20 Maneiras de Reduzir Custos com a Doença de Alzheimer e Outras Demências

  1. Como seria bom se as coisas funcionassem da forma como o senhor sugere, doutor. Ser cuidador de uma pessoa com demência é muito difícil, normalmente vejo famílias “descartando” esses doentes do seu convívio, colocando-as em asilos, alegando que vão ficar doentes também. Não estamos preparados para lidar com familiares nesta situação, não há apoio do governo para os idosos. Foi criada a lei para proteger o idoso, mas na prática ela não funciona. Parabéns, este poderia ser um projeto de lei!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>