Comer mal encolhe os hipocampos, estruturas cerebrais ligadas à memória.

Comer mal encolhe os hipocampos, estruturas cerebrais ligadas à memória.

Publicado em 24 de julho de 2017 às 11:40am

Human-Brain-on-Plate-007

Há tempos tenho estudado sobre o impacto do estilo de vida na prevenção do declínio cognitivo e até mesmo do desenvolvimento da terrível doença de Alzheimer. Em 2013 publiquei um livro sobre o assunto. Na última semana, no entanto, li uma pesquisa interessantíssima e que traz um argumento para mudança muito forte.

Pela primeira vez, cientistas conseguiram provar, em humanos, o real impacto da alimentação no volume de uma região do cérebro chamada hipocampo. Entre outras funções, ela é uma das responsáveis pela fixação das memórias novas e aprendizagem. Para testar a hipótese de que a alimentação impactaria diretamente no volume dos hipocampos, 255 participantes entre 60-64 anos tiveram seus cérebros e hábitos alimentares acompanhados ao longo de quatro anos. E qual foi o resultado?

Aqueles idosos que alimentavam-se na maneira “ocidental”, ou seja, comendo carne vermelha em excesso, salsichas, hambúrgueres, batatas-fritas e refrigerantes, apresentaram uma significativa redução no volume de seus hipocampos quando comparado aos que se alimentavam de maneira mais saudável.

O tamanho dessa diferença? 203 milímetros cúbicos de cérebro, onde o “preço do m² é caríssimo”.

O estudo foi um pouco mais além: mostrou que pequenas mudanças na alimentação já influenciam no volume do hipocampo. Deixar de lado o refrigerante já ajuda. Comer mais verduras também.

Acredito que visualmente esse estudo seja sim um argumento fortíssimo para a mudança. Afinal, perder neurônios tão importantes em prol de alimentos nada saudáveis não parecer ser uma decisão das mais inteligentes.  Quando adultos, a alimentação passa por uma decisão individual e consciente. A ilustração do texto não traz essa mensagem: não coma pequenos pedaços do seu cérebro a cada refeição.

Se 200 milímetros cúbicos não conseguiram lhe fazer pensar no assunto, saiba que a perda é ainda maior: o estudo fez medições apenas de um dos hipocampos, o esquerdo, deve-se, então, duplicar essa perda de volume, ou seja, hábitos alimentares ruins nos levam à perda de 406 mm³, em pouco tempo – quatro anos. Imagine o impacto quando esses hábitos perduram por décadas. Provavelmente são ainda mais significativos. Acredito que não precisamos de mais estudos para comprovar o dano resultante das escolhas dos alimentos que levamos à boca.

Batata-frita ou amêndoas? Mais ou menos hipocampo?

Grande abraço,
Leandro Minozzo

 

Referência:
Jacka, F et al.  Western diet is associated with a smaller hippocampus: a longitudinal investigation. BMC Medicine 2015, 13:215
 Confira o artigo na íntegra em: http://www.biomedcentral.com/1741-7015/13/215
Novo Hamburgo- RS | Rua Nações Unidas, 2475 sala 203 - Bairro Rio Branco – Tel. (51) 3035 1240 ou (51) 9818 2595 | leandrominozzo@gmail.com

2015 - Todos os direitos Reservados