Menu fechado

E O IDOSO QUE TEIMA EM NÃO SE CUIDAR NA PANDEMIA? DICAS PARA CONVENCÊ-LO

 

Tem pais ou esposo (a) com mais de 60 anos que ainda não está tomando cuidado com o coronavírus?

Muitas vezes nos assusta e, por estarmos também sob restrições, perdemos a paciência. Trabalho com motivação e sei que não se consegue nada discutindo. Aí vai uma estratégia que pode funcionar.

1) Para começar, não fique com raiva, indignação, com vontade de ganhar a discussão ou mostrar que tu está 100% certo;

2) Chame essa pessoa para uma conversa, um verdadeiro diálogo, e faça isso surpreendendo-a. Como? “Pai, eu gosto muito de ti, me diz com tuas palavras o que o senhor sabe sobre isso do coronavírus.”;

3) Escute sem interromper. O máximo é fazer mais perguntas abertas tais como as formas de contágio, as consequências para saúde, etc;

4) Busque saber por onde esse idoso tem se informado e quais são as celebridades ou pessoas de referência que ele costuma dar credibilidade (médico, ator, cantor, líder religioso, amigo);

5) Se o idoso vier com argumentos muito estapafúrdios (aqueles do zapzap), ofereça alguma fonte de informação que faça contato com a realidade do idoso (os exemplos acima), o emprego de exemplos de outros idosos da comunidade que estão se cuidando também é válido. Meu avô de 92 anos comparou a doença com o sarampo – doença que ele lembrou exigir cuidados – para ele isso o ajudou a compreender melhor e aceitar;

6) Coloque o idoso na responsabilidade de, ao cuidar de si, estar cuidando também das outras pessoas da família, ou até mesmo que ele pode ser o exemplo para outros idosos do bairro e pessoas da família, afinal, dele se espera a sabedoria de sempre;

7) Coloque que tu estará à disposição para passar informações de fontes seguras e fazer as adaptações necessárias na rotina para que tudo fique bem – também não adianta convencer, motivar e não dar assistência; leve as máscaras e álcool gel e mostra afeto;

8) Dê alguma esperança nesse sacrifício. Uso muito os conceitos da logoterapia na clínica aqui e o Dr. Frankl ensinou que devemos ajudar as pessoas sob cuidado a enxergar um propósito, um sentido na vida em cada momento. Ao cuidar de si e cuidar dos familiares, esse idoso poderá encontrar significado;

9) Caso a Relação pai-filho, esposo-esposa seja difícil, tente uma outra pessoa para fazer essa conversa ou até escreva uma carta nesses termos aqui;

10) Em pacientes com depressão ou problemas como demência, converse com o médico – ele poderá dar boas orientações;

11) E assustar: funciona? Num número pequeno de casos. Não adianta falar de dados muito estatísticos, ou exemplos distantes. Se o idoso anda triste e depressivo, falar que ele vai morrer às vezes só reforça seu quadro e não se sai do lugar. Assustar com custos de uma doença pode funcionar para aqueles muito apegados ao dinheiro, mas não acho uma boa opção;

12) Tente essa estratégia mais de uma vez e frequentemente a reforce. Não deixe virar briga, recue quando houver ataques, etc. O MAS dito pelo idoso é sempre um sinal que está ambivalente e que não mudará seu hábito. A desinformação pelas redes sociais é constante, brutal, e em vídeos muito manipulativos, por isso, tente mais vezes, tente por etapas.

Espero ter te ajudado!

 

Um abraço, Leandro Minozzo, geriatra,

professor de medicina da Universidade FEEVALE

 

Post relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *