Menu fechado

É possível se prevenir de Alzheimer?

 Sim! As provas disso não param de surgir e nós, médicos, não podemos ficar alheios. Após mais de 100 anos da descrição da doença, hoje entendemos bastante a forma como ela se instala e progride.  Uma pesquisa feita recentemente aponta um caminho interessante (trecho do livro).

Caminhos preventivos vindos do Sul da França

Há pouco tempo, em 2010, uma pesquisa feita na cidade francesa de Montpellier investigou qual seria o impacto na redução de determinadas condições em relação ao risco de desenvolvimento de demência. O estudo acompanhou 1.400 idosos daquela cidade ao longo de 7 anos, período no qual eles foram submetidos a rigorosas avaliações clínicas e cognitivas, como testes de memória e atenção.

Os pesquisadores descobriram que ao se eliminar a depressão e o diabetes, associando a isso um aumento no consumo de frutas e verduras, poderia se reduzir em cerca de 20% a quantidade de casos novos de demência naquela região. Desses fatores de risco para demência, o mais importante seria a depressão, cuja eliminação representaria uma redução em mais de 10% no total de casos novos. Em termos de saúde pública, essa redução em 20 ou 10% dos casos representaria algo fenomenal, com milhões de casos a menos de pessoas com demência!

Além da questão do diabetes e depressão e do consumo de frutas e verduras, os pesquisadores também concluíram que o aumento na inteligência cristalizada associa-se a uma redução no risco de desenvolvimento de demência. Esse aumento na inteligência cristalizada diz respeito a qualquer forma de educação ao longo da vida, desde os anos que passamos nas escolas e universidades (chamados de educação formal) ou em oficinas, cursos de idiomas ou de informática (educação não-formal) – esse tipo de inteligência representa a nossa bagagem intelectual.

O que torna essa pesquisa especialmente importante é o fato de mostrar que não são somente os anos de educação formal que contam mas também qualquer aprendizado  adquirido ao longo da vida. Tudo conta na prevenção de quadros demenciais. Fazer um curso aos 70 anos ajuda a prevenir demência. Aos 80 ou 90 também!

Abraços, Leandro

Post relacionado

1 Comentário

  1. Vera lúcia Tosolini Rodrigues

    Tenho histórico familiar por parte de pai que faleceram de problemas do coração e Alzheimer sou Nutricionista então leio bastante sob assunto em questão de nutrientes mas gostaria de saber de especialistas sob tal.

    Agradecida

    Vera

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.