Menu fechado

Sinais de alerta para a doença de Alzheimer.

Muito frequentemente, as famílias demoram a perceber o surgimento das demências, como é o Alzheimer. Pesquisas apontam que, entre os primeiros sinais e a busca por ajuda, pode-se levar quase dois anos!

Analisei alguns sinais comuns nessa fase de instalação da doença de Alzheimer. Deixo eles aqui para você:
 
•       Incapacidade de realizar atividades básicas do dia a dia, como dirigir, trabalhar, telefonar, controlar bem as finanças, fazer compras;
•       Esquecer senhas de banco;
•       Perder-se na rua;
•       Guardar objetos em locais errados;
•       Causar acidentes domésticos diversas vezes;
•       Não conseguir lembrar ou utilizar corretamente as palavras;
•       Esquecer repetidas vezes compromissos agendados;
•       Perda de iniciativa;
•       Não se preocupar em relação a esquecimentos significativos;
•       Repetição;
•       Confusão com a medicação;
•       Abandono do acompanhamento médico;
•       Idas frequentes à emergência;
•       Não responder aos questionamentos, sempre pedindo ajuda;
•       Sinal do Virar a Cabeça em direção ao familiar quando for questionado sobre qualquer coisa;
•       Problemas de higiene;
•       Problemas na rotina do lar;
•       Cair em golpes financeiros;
•       Confusão com datas;
•       Perda de peso sem explicação;
•       Parar de frequentar locais públicos.

Quando mais de um familiar ou amigo manifestam preocupação com o esquecimento do idoso, maiores os riscos para um comprometimento cognitivo estar presente. Quando filhos, netos ou vizinhos percebem essas dificuldades, o risco delas serem realmente importantes aumenta e muito.

Outros pontos fundamentais na análise desses sinais são: comparar como o idoso era há poucos meses ou anos e o que se espera de uma pessoa na mesma faixa etária.

O erro das famílias, a meu ver, é achar que os esquecimentos significativos fazem parte do envelhecimento normal. O mais adequado, seria fazer uma avaliação com o médico assistente.

Geriatras, neurologistas e psiquiatras especializados em idosos são capacitados para essas avaliações.

Post relacionado

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *